Siga-nos

Precisamos conversar sobre castração pediátrica

A procura por castrações vem, pouco a pouco, crescendo entre os tutores brasileiros. O aumento nos números pode ter seu sucesso vinculado às políticas públicas de controle de natalidade dos animais e ao maior acesso das pessoas à informação, graças ao boom da internet e das redes sociais. Embora essa seja uma excelente notícia, é inegável que o preconceito acerca da castração pediátrica ainda é muito grande. O assunto é polêmico, divide donos de animais e, até mesmo, alguns médicos veterinários.

Mas, afinal de contas, o que é esse tipo de castração? Como é feito o procedimento? Os mitos têm algum fundamento científico? Continue a leitura e confira as respostas para essas e outras perguntas!

O que é a castração pediátrica?

Esse procedimento, também conhecido como castração precoce, é a esterilização feita em animais pré-púberes, normalmente entre seis a oito semanas de idade. Tal prática teve seu início nos Estados Unidos, sendo implementada em animais oriundos de abrigos e organizações não governamentais, visando a adoções conscientes e à redução do número de animais abandonados.

Apesar de ser reconhecida e incentivada por diversos órgãos veterinários, a castração em animais tão jovens deve ser realizada com alguns cuidados. A maturidade hepática e renal dos pacientes pediátricos só atinge seu pico em torno dos quatro meses de idade. Além disso, a circulação, a respiração e o controle da temperatura corporal também funcionam de formas diferentes.

Mito ou verdade?

A seguir, conversaremos um pouco sobre alguns fatos e também sobre alguns mitos que cercam esse tipo de cirurgia.

Castrações pediátricas custam menos

Verdade. Graças à menor quantidade de recursos utilizados, como anestésicos e medicações, o valor final do procedimento acaba sendo menor. O tempo gasto na cirurgia também é reduzido.

Animais jovens se recuperam mais rápido

Verdade. Embora o menor índice de gordura dificulte a regulação térmica, ele tem a vantagem de garantir um metabolismo acelerado, o que resulta em uma recuperação muito mais rápida.

Castrar filhotes os deixa obesos

Mentira. Embora alguns estudos mostrem uma maior incidência de sobrepeso em gatos castrados, não há nenhuma evidência científica provando que a obesidade é causada pela cirurgia. Na realidade, uma dieta saudável e o incentivo de atividades físicas pode controlar muito bem a ocorrência desse problema.

Castrações precoces causam retardo no crescimento

Mentira. O que ocorre, na verdade, é o contrário. Os hormônios sexuais controlam o fechamento de estruturas que ‘’desligam’’ o crescimento dos animais. Quando esses hormônios são interrompidos, elas levam mais tempo para se fechar, fazendo com que o gatinho cresça mais.

O procedimento diminui o surgimento de doenças

Verdade. Além de acabar com as chances do desenvolvimento da piometra, uma infecção uterina potencialmente fatal, a castração precoce diminui drasticamente o aparecimento de doenças ligadas ao estímulo hormonal, como câncer de mama, útero, ovário, próstata e ossos.

A cirurgia está ligada à predisposição de problemas urinários

Mentira. A ocorrência de problemas urinários, especialmente em gatinhos machos, tem relação com a anatomia da uretra felina, que é extremamente estreita. No entanto, as medidas uretrais de gatos castrados precocemente e daqueles castrados tardiamente não apresentam diferenças significativas.

A castração precoce altera o comportamento do gatinho

Verdade. Isso não quer dizer, no entanto, que as alterações sejam ruins. A castração, principalmente a pediátrica, reduz a hiperatividade e a agressão nos bichanos. Além disso, diminui as chances de fuga e de marcação de território por meio da urina.

Ainda podemos citar outros mitos relativamente comuns, como o surgimento de problemas de pele nos gatinhos castrados precocemente ou ainda o desenvolvimento da vulva infantil, problema que causa dificuldade para urinar. Ambos são inverdades, já que não há embasamento científico que comprove sua relação com a castração pediátrica.

Como podemos ver, a castração pediátrica traz inúmeros benefícios para a saúde e a qualidade de vida do seu gatinho. Caso você seja tutora de um filhotinho, converse com um veterinário de confiança sobre o procedimento!

E aí, ficou com alguma dúvida? Quer relatar alguma experiência? Conta para a gente nos comentários!

Postagens relacionadas
Meu gato não usa mais a caixa de areia
Meu gato não usa mais a caixa de areia, é possível identificar o motivo?
Como cortar unha de gato sem machucar o pet
Como cortar unha de gato sem machucar o pet
doenças de gatos
5 doenças de gatos que você precisa conhecer e como tratá-las
Caixa de areia para gatos
Caixa de areia para gatos: um guia para deixar tudo limpinho
Gato no cio: aprenda como cuidar das fêmeas
Gato no cio: aprenda como cuidar das fêmeas
3 Comentários
  • Vou fazer a castração pediatrica em 3 gatinhas de uma vizinha que estão para adoção. Achei a ideia maravilhosa, visto que conseguimos doa-los já castrados. Castrar é um gesto de amor ao seu animal. Quem ama, castração.

  • Cristiana Monteiro
    Responder

    Boa noite qro saber se ja posso castrar minhas gatinhas de três meses? E um gatinho de 4 meses?

    • Oi Cristiana, pode castrar sim. O ideal é castrar sua gatas fêmeas antes do primeiro cio! Abs Equipe Areia de Gato

Deixe seu comentário

Seu comentário*

Seu nome*
Sua página da Web

Aproveite para comprar sua areia agora